Feiras de Ciências

Falando sobre Feiras de Ciências e Iniciação Científica

      A iniciação científica como atividade estratégica para o desenvolvimento científico e tecnológico do país até pouco tempo (anos 90), era realizada quase que exclusivamente no ensino superior. No entanto, começou a ficar comum nas escolas brasileiras a implementação de atividades de iniciação científica em todos os anos da educação básica.
     No ensino fundamental e médio a iniciação científica vem compondo um processo de inserção contínua de metodologias ativas para preparar o estudante para a compreensão integral do conhecimento científico. Dentre estas metodologias, as Feiras de Ciências são citadas como espaços que proporcionam aprendizagens significativas e, consequentemente, um ganho cognitivo capaz de extrapolar outras áreas do saber, não se limitando à ciência.
       As Feiras de Ciências, quando apoiadas no ensino por investigação, representam uma estratégia pedagógica inovadora que permite novas abordagens e possibilidades do estudante aprender de forma autônoma. Essa nova estratégia pedagógica se baseia no incentivo à elaboração de projetos de pesquisa que, apoiados em metodologia científica, investigam problemas tangíveis para o estudante e para a comunidade à qual ele pertence.


As Feiras de Ciências de acordo com suas mudanças históricas, metodologias, conceitos e objetivos, juntamente com a tendência a multidisciplinaridade, levou a uma profusão de denominações, tais como: 
Feira/Mostra de Ciências,
Feira Cultural,
Feira de Iniciação Científica,
Feira de Ciência e Tecnologia,
Feira Multidisciplinar,
Feira Interdisciplinar, entre outras. 


Etapas para orientação de um projeto de Iniciação Científica

O ateliê pedagógico de divulgação e popularização da Ciência e Tecnologia desenvolve vai te ajudar a desenvolver a aprendizagem dos estudantes através das metodologias das Feiras de Ciências. Abaixo deixamos 11 passos para fazer uma orientação de sucesso. Acompanhe!


1. Equipe do trabalho
Você pode orientar um projeto de Iniciação científica com um número variado de estudantes, porém para a apresentação em Feiras de Ciências, geralmente os projetos são de até três estudantes. 
Você poderá ser o professor orientador ou coorientador. Estas posições serão definidas através do diálogo entre as pessoas que compõem o projeto. 
Lembre-se: É muito importante sempre manter um clima de motivação, diálogo e respeito entre todos os autores do projeto. 


2. Pensando no Problema de Pesquisa
Os estudantes deverão ser motivados a identificar problemas nos quais eles gostariam de resolver, ou então fatos, fenômenos e /ou situações que desejam entender melhor.
O “problema” precisa ser concebido como algo que irá te auxiliar a ter uma visão mais ampla daquilo que você quer descobrir, investigar ou inventar.


3. Consulte as Regras da Feira de Ciências
É muito importante estar atento as regras da(s) Feira(s) de Ciências nas quais a equipe estará disposta a enviar o projeto de Iniciação Científica a ser desenvolvido. Por isso leia com bastante atenção todas as regras. 
No caso da FEMIC (Feira Mineira de Iniciação Científica) as regras estão disponíveis em: Clique aqui.


4. Motive a escrita de um Diário de Bordo
Para apresentar um projeto em qualquer feira de Ciência, que segue padrões internacionais de pesquisa é necessário providenciar um caderno para servir de diário de bordo do seu projeto.
Este diário de bordo deverá ser utilizado para registrar e organizar, cronologicamente, todas as informações do projeto, desde as suas primeiras ideias e reflexões para a escolha do tema. 
É interessante organizar, também, uma pasta com fotos, fichas e formulários utilizados na pesquisa.

Atenção: Instrua os estudantes a numerar as páginas do seu diário de Bordo. Instrua-os para não passar o diário a limpo, pois quanto mais original a informação contida, mais seriedade terá a pesquisa. Incentive para que haja o registro de todas as etapas realizadas, anotando detalhada e precisamente (indicando datas e locais) todos os fatos, passos, observações, descobertas, indagações, investigações, entrevistas, testes, resultados e análises.


5. Oriente a elaboração de um Plano de Pesquisa
O planejamento é essencial na vida profissional de um cientista, por isso, oriente a fazer, antes de qualquer experimentação,  o Plano de Pesquisa. 

Segue o modelo de  Plano de Pesquisa da FEMIC, como sugestão. Para baixá-lo Clique aqui.
Um bom plano de pesquisa contem:
  • Título do projeto, 
  • Questão ou problema identificado, 
  • Objetivo(s), 
  • Materiais e métodos (procedimentos),
  • Referências bibliográficas (no mínimo as três mais importantes)


6. Saiba sobre questões de ética e Segurança em pesquisas
Se a proposta de pesquisa envolver um ou mais dos tópicos a seguir:
  • Seres humanos, 
  • Animais vertebrados, 
  • Recombinação de DNA, 
  • Substâncias patogênicas ou micro-organismos, 
  • Substâncias controladas, 
  • Tecido animal ou humano ou seus fluídos, 
  • Substâncias (reagentes) e/ou equipamentos perigosos.
Então, é necessários algumas medidas de segurança antes do início do desenvolvimento do se projeto. Caso a sua escola não exista uma comissão para revisão e aprovação de projetos que envolvam aspectos éticos, você poderá pedir usar o suporte da Plataforma AMPIC de Iniciação Científica para a Educação Básica. Não hesite, e garanta a segurança e legalidade do seu projeto.


7. Oriente o desenvolvimento da Pesquisa (metodologia) 
O desenvolvimento da sua pesquisa deve ser conforme o planejamento realizado no Plano de Pesquisa. O projeto deverá ser totalmente desenvolvido e conduzido pelos estudantes e acompanhado e supervisionado por você docente.
Para saber mais sobre Metodologia Científica Clique aqui.



8. Oriente a elaboração do Resumo Científico 
O Resumo do Projeto deve apresentar de forma sintética o conteúdo do relatório do projeto e deve ser capaz de responder às seguintes questões:
  • Porque o projeto foi realizado? (Objetivos ou Questões identificadas) 
  • O que foi realizado no projeto? (Procedimentos e Métodos Adotados): não detalhe os materiais utilizados, concentre-se em descrever procedimentos realizados. 
  • Quais foram os resultados alcançados? (Observações ou dados pertinentes que permitiram você chegar a sua conclusão). 
  • Os objetivos foram alcançados? (Conclusões ) - O texto do resumo deve concentrar-se no trabalho realizado pelo estudante no projeto. 
Observações:  
O texto do resumo NÃO deve incluir agradecimentos ou mencionar apoiadores do projeto.
- O texto do resumo deve ser redigido em parágrafo único e respeitar o limite MÁXIMO de carácteres, conforme regras da Feira de Ciências.
- O conteúdo do resumo não deve incluir desenhos, diagramas ou tabelas. Esses elementos são colocados no Relatório do projeto.
- Palavras-Chave são palavras ou termos essenciais ou representativos do projeto. Ao escolher estas palavras ou termos, pense naqueles que imediatamente podem ser associados ao seu projeto.

Segue o modelo de  Resumo científico da FEMIC, como sugestão. Para baixá-lo Clique aqui



9. Oriente a elaboração do Relatório Científico   
O Relatório do Projeto é a exposição escrita na qual se descrevem fatos verificados mediante pesquisas, execução de experiências e também a reflexão a partir das questões identificadas. É geralmente acompanhado de documentos demonstrativos, tais como diagramas, tabelas, gráficos, estatísticas e outros.
O Relatório do Projeto realizado pelo estudante deve conter todos os dados, desde a concepção e objetivos até os resultados finais do projeto, contendo a pesquisa bibliográfica utilizada no embasamento científico, descrição detalhada de todas as fases de realização, descrição detalhada dos resultados e conclusões sobre o projeto.
Este documento deve ser redigido de forma detalhada, de modo que o leitor compreenda todo o processo criativo do projeto e da concepção, estudos realizados até os resultados e a conclusão.

Recomendações
  • Tenha no máximo 50 páginas.
  • Seja escrito com letra legível ou digitado.
  • Contenha fotos, desenhos e esquemas sobre o projeto.
Estrutura básica recomendada de conteúdo
a) Capa com os seguintes dados:
  • Nome da instituição
  • Título do projeto
  • Cidade e ano
     - Sobrecapa com os seguintes dados:
  • Título do projeto
  • Nome dos estudantes realizadores do projeto
  • Nome dos professores responsáveis pelo projeto
b) Introdução (Apresentação e contextualização do projeto)
c) Justificativa (Por que fazer este projeto é importante?)
d) Objetivos (O que se pretendia fazer no projeto?)
e) Metodologia (Como o projeto foi feito?)
  • Materiais utilizados
  • Procedimento utilizado (Descrição de como foi feito o projeto)
f) Resultados (transcrição dos resultados utilizando texto, diagramas, gráficos ou tabelas; comentários e análise dos resultados)
g) Conclusões: os seus objetivos foram alcançados? Você conseguiu comprovar a sua hipótese? Quais são os seus próximos passos?
h) Referências bibliográficas

Segue o modelo de  Relatório científico da FEMIC, como sugestão. Para baixá-lo clique aqui.


10. Hora de fazer a Inscrição para participar da Feira de Ciências  O Resumo do 
Cada Feira de Ciências possui um calendário próprio. Então, nesta etapa será necessário uma busca nos sites das Feiras de Ciências externas ou mesmo uma conversa com a sua supervisão pedagógica, caso na sua escola haja uma feira de Ciências. 

No caso da FEMIC, a inscrição para a proxima edição será de 21 de janeiro a 24 de maio de 2019. Através do site: http://www.femic.com.br/


11. Oriente a elaboração do Poster/cartaz/banner do projeto
Todo projeto deverá organizar um painel / pôster para ajudar na explicação do projeto. O poster ou também chamado de cartaz ou banner é uma ferramenta visual explicativa que apresenta de forma sucinta os objetivos, o desenvolvimento, os resultados e conclusões de seu projeto.
Sugerimos que o pôster/cartaz/ banner tenham medidas de no máximo 0,9 m de largura x 1,2 m de altura ou 0,75m de largura x 1,10 m de altura. Lembre-se que o poster é o que mais vai esclarecer os visitantes e avaliadores do projeto.

Segue o modelo de  Relatório científico da FEMIC, como sugestão. Para baixá-lo Clique aqui.

Dicas para elaboração e apresentação do seu poster:
1. Escreva poucas, mas valiosas palavras.
Pôsteres com muito texto dificilmente receberão atenção. Ao mesmo tempo, você precisa escrever alguma coisa no seu pôster – e nem pense em colar o resumo…
O importante é ter uma introdução curta contendo a problemática do estudo, com os objetivos do trabalho bem destacados. Subtítulos para os principais resultados, legenda para as figuras e conclusões em itens. Assim, o que é essencial está escrito, mas sem exageros – alguns recomendam no máximo 1000 palavras. Lembre-se de usar fontes escuras e com tamanho de pelo menos 22pt, legíveis a 1m de distância.

2. Mude para um layout horizontal.
A maioria dos pôsteres utiliza um layout vertical, subdividido em duas colunas, em que a parte mais importante do trabalho (os resultados) fica restrita a uma proporção pequena do pôster.
Por isso, a dica aqui é substituir o layout de duas colunas por uma distribuição horizontal dos seus dados. Dessa forma, você ganha mais espaço para expor seus resultados no ponto onde eles serão mais visíveis: à altura dos olhos dos visitantes.

3. Valorize suas imagens.
Afinal, elas serão as primeiras a serem notadas por visitantes! As figuras dos seus resultados devem ser grandes, podendo ser interpretadas a uma distância de 1m. Use subtítulos que descrevam o principal resultado e, no caso de gráficos, considere ajustar a fonte dos eixos e das legendas para que fiquem mais visíveis.
Como chamativo, coloque uma imagem representativa do seu trabalho próxima ao título – pode ser o organismo com que você trabalha, o retrato do autor cuja obra você estuda, etc. Assim, antes mesmo de ler o título, pesquisadores interessados no seu tema de estudo já saberão que devem visitá-lo!

4. Use esquemas para sua metodologia.
Os métodos utilizados são uma parte chave para compreender sua pesquisa, mas ao mesmo tempo uma leitura exaustiva. Portanto, a melhor forma de representá-los é através de imagens dispostas em esquemas, mostrando cada etapa em sequência. Fluxogramas com fontes grandes também funcionam bem.

Em alguns casos, os esquemas com imagens também podem ser aproveitados para ilustrar seus principais resultados na seção de conclusões.

5. Pratique a apresentação, mas não a decore.
Elabore diferentes formas de apresentar: uma curta para visitantes ligeiros, uma mais demorada para pesquisadores interessados, e ainda uma terceira para especialistas na área. Adiante possíveis perguntas e tenha respostas – ou boas desculpas – mais ou menos prontas.